O conteúdo dessa página pode ser reproduzido desde que informado a fonte e o autor.

7 de jun de 2011

Bebidas alcoólicas e festas da Igreja




(Suprimidas)

Na paróquia Nossa Senhora da Piedade, em Curitiba (PR), os padres Ivanir Leonardi e Messias Galieta decidiram, em consonância com os Conselhos da paróquia, abolir o uso de bebidas alcoólicas das festas naquela comunidade.

Um folheto está sendo distribuído a todos os paroquianos lembrando que o alcoolismo é uma doença e que o álcool é a mais consumida entre todas as drogas. Lembra que a violência familiar, infidelidade conjugal e doenças derivantes do álcool são algumas das conseqüências negativas do hábito ou dependência de bebidas alcoólicas.

O texto mostra, ainda, que grande parte dos setores de ortopedia dos hospitais é ocupada por acidentes provocados por pessoas alcoolizadas e que, por isso, os gastos públicos são astronômicos e poderiam ser evitados.

Os padres comentam que em estádios de futebol e em escolas o consumo de bebidas alcoólicas já foi proibido e que a CNBB promove e apóia a Pastoral da Sobriedade. Lembram que o álcool é a pior das drogas e que, “nas festas da Igreja não se pode lucrar com o dinheiro advindo da comercialização da pior das drogas”.

Citando o quinto mandamento da Lei de Deus: “Não matarás”, eles afirmam que o álcool mata o alcoólatra e, muitas vezes, mata os irmãos em casa, nas festas, no trânsito e nas brigas. Recordam que o alcoolismo está atingindo de maneira dramática as mulheres e a juventude, e que por isso não se pode continuar dando mau exemplo nas Igrejas e colaborando com o prejuízo das pessoas.

Padres Ivanir e Messias dizem que é preciso incentivar as verdadeiras festas de comunidade: festas religiosas, sadias, agradáveis e num espírito de família e boa convivência. Também ressaltam que “é preciso fortalecer o dízimo nas comunidades, pois, onde o dízimo é bem organizado, melhora muito a situação econômica”.

Eles destacam que algumas pessoas ainda insistem em fazer festas com a venda de bebidas alcoólicas, mas que essas são lideranças antigas, que eles chamam de “donos da igreja”, que ainda não estão bem convencidos do seu prejuízo a todos, do seu testemunho antievangélico e da importância do dízimo como ensinamento de Deus para a sustentação de toda a ação evangelizadora.

FONTE: MEAC - Missionários para Evangelização e Animação de Comunidades São Paulo
http://www.meac.com.br

Comentário do autor blog:

Um exemplo de ATITUDE CRISTÃ, com isso estão contribuindo para conscientização do cristão dos malefícios do álcool, um item que não cabe dentro de uma festa católica, na família cristã e que esse exemplo alcance todas as Paróquias brasileiras.



Um comentário:

Anônimo disse...

eu ligia acho que nenhum padre pode falar que se pode tomar uma cervejinha, pois nunca fica em uma cervejinha um alcólatrA. A BEBIDA É A DESGRAÇA DAS FAMILIAS, SÓ QUEM TEM EM CASA SABE. QUASE TODAS AS FAMILIAS DESTRUIDAS É DEVIDO AO ÁLCOOL. AS IGREJAS TEM QUE LUTAR CONTRA A BEBIDA. NÃO INTERESSA A QUANTIDADE. O QUE OS JOVENS QUE LUTAM CONTRA A BEBIDA VAI DIZER . SE OS RELIGIOSOS PODEM PQ EU NÃO POSSO. O QUE UMA ESPOSA VAI DIZER QUANDO CHEGAR EM UM SANTUÁRIO PARA PEDIR A GRAÇA DO MARIDO PARAR DE BEBER E VER QUE DENTRO DO SANTUÁRIO VENDER BEBIDA ALCOÓLICA. POIS QUEM BEBE NUNCA ACHA QUE ESTA FAZENDO ALGO. MAS QUEM ESTA PRÓXIMO QUE SABE. VAMOS LUTAR CONTRA A VENDA DE BEBIDA ALCOÓLICA NOS SOLOS SAGRADOS. POIS A BEBIDA É A PIOR DROGA NAS FAMÍLIAS, POIS É LIBERADA PELO GOVERNO. E AGORA ESTA SENDO LIBERADA PELA IGREJA. UMA VERGONHA . MARIA NÃO ESTA FELIZ COM ISSO PODE TER CERTEZA, POIS ELA NÃO QUER VER CASAL BRIGANDO. PAIS E FILHOS, ETC. ME PERDOE SENHOR SE EU TIVER ESCREVENDO BESTEIRA AMÉM